terça-feira, 7 de junho de 2011

Resolução de problemas,

ou um dos capítulos certos do Tratado do Entendimento Humano, caso venha a existir algum dia.

Cada profissão desempenha um papel na sociedade que pode, por vezes, ultrapassar a área onde se aplica. É comum ver praticantes de várias disciplinas defender a inevitabilidade do seu ofício para o resultado da civilização: os advogados julgam que todos os problemas podem ser resolvidos através do direito, os engenheiros apregoam soluções técnicas para as mais diversas disfunções, os economistas vivem com a certeza que tudo se pode solucionar com uma folha de Excel e muitos mais exemplos poderiam aqui caber.

Quanto a mim, sou designer gráfico e tenho como função comunicar mensagens visuais. Desde cartazes políticos a folhetos para agências de viagens, passando por capas e paginações de livros do Bioy Casares, tenho para comigo que não há profissão mais importante que a minha. Esta certeza é sustentada por um evento que é tido universalmente como o mais importante da história da humanidade: a invenção da escrita. Esta criação é tão relevante que se tornou, de forma consensual e absoluta, no marco académico que divide a pré-história da história.

Se os filósofos e os geógrafos quiserem continuar a digladiar-se pelos lugares secundários, estão à vontade. O que sei é que se não fossem outros como eu eles não tinham nada que os separasse dos primatas. Posto isto, fica à vossa atenção a importância que o desenho gráfico (ou design gráfico para acompanhar os tempos) terá por aqui.